Câmara do Rio discute Previdência Municipal

O debate público sobre a situação do PreviRio e do Funprevi lotou o plenário.

0
20

O debate público sobre a situação do PreviRio e do Funprevi, fundos responsáveis pelo pagamento de aposentadorias, pensões e auxílios de servidores municipais, lotou o plenário da Câmara Municipal, na manhã do dia 22 de março, mas não contou com a presença do presidente do PreviRio, Luiz Alfredo Salomão, para os devidos esclarecimentos. O vereador Reimont, que integra a Frente Parlamentar em Defesa da Previdência, destacou a força da mobilização dos servidores para derrubar a proposta de taxação dos inativos e as demais perdas de direitos dos servidores municipais.

O debate teve a contribuição de especialistas, como o economista Luiz Mário Behnken, a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Sara Granemann, e um conjunto de técnicos do Tribunal de Contas do Município. Entre as propostas do presidente do Previ-Rio para sanar o déficit previdenciário do município, estão a taxação de inativos e pensionistas em 11% sobre o valor que ultrapassa o teto do Regime Geral de Previdência Social e a revisão do pagamento da integralidade dos vencimentos dos aposentados.

A pesquisadora Sara Granemann frisou que não há déficit na maioria dos fundos previdenciários próprios do país. Ela citou como exemplo a Previdência Nacional, cuja arrecadação chega a R$ 3 trilhões, correspondendo a mais de 50% do PIB nacional. Segundo ela, o desequilíbrio das contas públicas vem sendo usado como o grande argumento em favor da redução das despesas previdenciárias, com o objetivo de liberar recursos para o pagamento dos juros e encargos da dívida pública.

“Um dos avanços da Constituição Federal de 1988 foi a inclusão da Assistência Social no rol dos direitos sociais constitutivos da cidadania, compondo, com a Saúde e a Previdência, o Sistema de Seguridade Social. A mudança da ideia de Previdência, de sistema contributivo para um sistema de capitalização, estipulado pelo Banco Mundial e implementado no país por meio de emenda constitucional, em 1998, foi para atender à crise do mercado de capitais, que exige novos mercados e novos produtos. Essa política tem, por consequência, a transformação da Saúde, da Educação e da Previdência em meras mercadorias”, explicou.

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.