Falência da Saúde

A Saúde segure piorando. No Rio, uma dona de casa morre por falta de atendimento, enquanto um músico mobiliza as redes sociais para conseguir atenção. Até quando?

0
10

Um relatório do Ministério Público do Rio de Janeiro mostra que o governo do estado deve 6,2 bilhões de reais a fornecedores e prestadores da área da Saúde; é a maior dívida de todas as áreas da atual gestão.

Pezão investe cada vez menos em Saúde e as consequências trágicas a gente vê todos os dias. A morte da dona-de-casa Irene de Jesus Bento, cujo atendimento foi negado no Hospital Getúlio Vargas, é um desses casos que, diariamente, atingem milhares de pessoas e famílias.

Quase no mesmo período, o músico e sambista Edson Cortes, o Dinho, do grupo Galocantô, passou por dificuldade semelhante no Hospital Salgado Filho. Só uma forte mobilização nas redes sociais e na imprensa garantiu a necessária transferência e o atendimento adequado. Foi preciso gritar para conseguir um serviço que é direito das pessoas.

Se o problema é grave na capital do Estado, piora muito quando saímos dela. A Baixada Fluminense, por exemplo, tem carência de sete mil leitos hospitalares. Para atender uma população de cerca de 4 milhões de pessoas, há apenas três hospitais.

Este não é um problema só do Rio, ele está em todo o Brasil. É uma crise que faz parte do projeto do golpe, para privatizar a Saúde. Nós vamos deixar que isso aconteça?

#EmdefesadoSUS

 

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.