Armas, pra quê?

Reimont analisa a proposta de armar a Guarda Municipal, apontando desvantagens do projeto. Ele também defende um plano de cargos e salários para os guardas.

0
40

Um dos principais temas de debate na Câmara dos Vereadores, na semana passada, foi a questão do armamento da Guarda Municipal. O assunto voltou à tona após a consulta pública realizada em Niterói, no último dia 29/10, quando a grande maioria dos eleitores daquela cidade disse NÃO à proposta de autorizar os guardas municipais a usarem armas letais, em serviço. A Câmara do Rio já rejeitou um projeto igual, mas os parlamentares a favor das armas avisaram que farão uma nova proposta, igual, no próximo ano.

Desde sempre, Reimont tem se posicionado contra o armamento, que, segundo ele, não solucionará o problema da segurança e ainda colocará em risco os próprios guardas municipais.

“O Rio já conta com um grande aparato policial armado, não precisa de mais. Armar a Guarda Municipal só favorece os fabricantes de armas, que, para vender mais, tentam nos convencer que arma é sinônimo de segurança. Não é. Conversando com os guardas municipais, nas ruas, vemos que a maioria deles também não quer armas. Eles querem é um plano de carreira, um plano de cargos e salários, uma política de vigilância por proximidade com as pessoas. E é disso que precisamos, de uma Guarda Municipal que cuide do patrimônio da cidade e dialogue com a sociedade, que esteja nas ruas.”

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.