Parlamentarismo é golpe

Com medo de Lula, em 1994 reduziram o mandato presidencial de 5 para 4 anos. Agora, também com medo, querem acabar com o presidencialismo

0
58

Com o crescimento de Lula e do PT, como apontam todas as pesquisas, o PSDB – com apoio de Temer, do ministro Gilmar Mendes e de algumas cabeças do PMDB – faz um movimento para convencer a população de que o parlamentarismo é o caminho que unificará o país, para vencer a crise. É golpe! 

A tentativa de mudar, agora, o sistema de governo visa apenas a esvaziar a autoridade do futuro presidente (seja Lula ou qualquer candidato de esquerda) e garantir a permanência dos golpistas neoliberais no poder. Será deles o primeiro-ministro, mesmo contra a vontade popular. Se a proposta passar, será a glorificação dos sem votos.

Eles tentam emplacar o parlamentarismo a toque de caixa, sem o plebiscito indicado pela Constituição. Na proposta, ainda pouco explicada, a eleição para presidente será mantida, mas com radical enfraquecimento do poder presidencial. Quem, de fato, ficará à frente do governo será o primeiro-ministro, escolhido por deputados federais e senadores. 

Com baixa expectativa de mudança na futura composição do Congresso, podemos bem imaginar que tipo de primeiro-ministro será escolhido. Talvez, um Henrique Meirelles; talvez, um Aécio Neves; talvez, o próprio Gilmar. O nome do “eleito” é dúvida, mas o seu papel está assegurado – manter os privilégios da elite e as políticas excludentes, que prejudicam a população.

A essa proposta, dizemos NÃO!

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.