Reforma da Previdência: A tal da capitalização só serve aos bancos

O debate sobre a Reforma da Previdência é fundamental. São inúmeras as perdas, A maior será a troca do atual sistema de contribuição pela tal de CAPITALIZAÇÃO, em que cada trabalhador ou trabalhadora fará a sua própria poupança para uma futura aposentadoria

0
68

O debate sobre a Reforma da Previdência é fundamental. O projeto atingirá quem já se aposentou e quem ainda vai se aposentar, quem é pensionista e quem está começando a trabalhar. A reforma avança até sobre questões que nada tem a ver com a Previdência, como o fim do abono anual do PIS/PASEP para quem recebe dois salários mínimos, o que prejudicará 21 milhões de pessoas.

Serão inúmeras as perdas. A maior será a troca do atual sistema de contribuição pela tal de CAPITALIZAÇÃO, em que cada trabalhador ou trabalhadora fará a sua própria poupança para uma futura aposentadoria, sem qualquer contribuição do empregador ou do governo. Será uma relação individual, de banco para cliente, com taxas de administração e regras que podem ser mudadas quando e do jeito que os bancos quiserem.

Quem lucra? Segundo a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco), só o sistema bancário, que vai faturar a fortuna de R$ 388 bilhões, por ano. Explico. Com a capitalização, cada trabalhador vai acumular cerca de R$ 275 mil (valor bruto), ao longo de 40 anos de depósitos mensais. Mas os bancos terão direito a 62% desse valor, ou seja, R$ 105 mil, como taxa de remuneração. Assim, do total poupado durante 40 anos, o trabalhador ficará com apenas R$ 170.102,58, a serem sacados em pequenas parcelas mensais. Uma tragédia.

A reforma da Previdência jogará o Brasil em um futuro de extrema exclusão, com risco à vida das pessoas mais vulneráveis. Essa reforma, NÃO!

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.