Bolsonaro, até quando?

0
10

Lento e contraditório na liberação do auxílio emergencial de 600 reais para parte das pessoas mais vulneráveis à crise do coronavírus, Jair Bolsonaro demonstrou grande rapidez para emitir uma MP que agrava a situação dos trabalhadores e trabalhadoras formais, extinguindo direitos e usando reservas dos próprios trabalhadores para financiar cortes e demissões. A MP permite reduzir jornadas e salários em até 70%, com impacto brutal na renda das pessoas. O texto também permite a suspensão temporária de contratos de trabalho; o que significa que a empresa deixará de pagar salários.

A todos, o governo acena com uma “compensação” de parte da renda perdida. Balela. Essa “compensação” será por meio da liberação de parcelas do seguro-desemprego, por três meses, ou seja, serão adiantados recursos do próprio trabalhador, sem qualquer participação extra do governo.

Haverá uma queda significativa dos salários, já que o valor do seguro-desemprego nunca é igual ao que se ganha na ativa. O benefício varia de R$ 1.045,00 (um salário-mínimo) a R$ 1.813,03 e é calculado por uma fórmula, mas jamais ultrapassa o teto de R$ 1.813,03. Não é difícil entender que haverá perda salarial.

A MP estabelece três faixas de cortes da remuneração, com redução proporcional da jornada: 25%, 50% e 70%, abrindo abre margem para cortes maiores ou menores, a partir de acordo coletivo. Para redução de até 25% do salário, não haverá nem a compensação de parte do seguro-desemprego. Para a faixa de corte de 25 a 49%, a tal compensação será de 25% do seguro-desemprego; quem estiver na faixa de 50% a 69% de redução salarial, receberá 50% do seguro-desemprego, e nos cortes de 70% ou mais, o valor será de 70% do benefício.

As empresas também poderão suspender por dois meses os contratos de trabalho, deixando de pagar o salário do empregado dispensado do trabalho. Para essa redução salarial de 100%, a compensação será, no máximo, dos R$ 1.813,03 do teto do seguro-desemprego.

Candidamente, o governo diz que a medida vai afetar 24,5 milhões de trabalhadores, em troca da preservação de 8,5 milhões de empregos.

A MP foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União, no fim da noite da última quarta-feira (dia 1º), e entrou imediatamente em vigor, que eles têm pressa nos pacotes de maldades. Enquanto isso, o governo vai brincando de um tenebroso pique-esconde com o projeto de assistência emergencial que garantirá, por três meses, o valor de 600 reais mensais para pessoas de baixa renda, podendo chegar a 1.200 reais para dois adultos, por família, ou para mulheres chefes de família com filhos menores de 18 anos.

Aprovada no Congresso Nacional na segunda-feira, dia 30 de março, a medida segue sendo empurrada com a barriga. Bolsonaro garante que foi sancionada, mas até a tarde do dia 2 de abril a lei não havia sido publicada no Diário Oficial, como necessário. Ele diz que “está a todo vapor”, mas que só começará a pagar a partir da próxima semana, em um escalonamento sem fim – primeiro, os beneficiários do Bolsa Família; depois, os trabalhadores informais inscritos no Cadastro Único (CadÚnico), e, lá no final da fila, os informais que estão fora do CadÚnico. Nenhuma palavra sobre os milhões de sem teto e desempregados. 

As datas de pagamentos ainda não estão confirmadas e muito menos o modo como serão realizados. Diz o presidente: “é uma burocracia enorme”. Mas a mesma burocracia parece inexistir quando se trata de promover mais perdas trabalhistas ou para liberar bilhões de reais para os bancos. 

Quem tem fome, tem pressa, já dizia o saudoso Betinho, cuja frase não ecoa nos ouvidos presidenciais… ou não é entendida. Sem empatia pelos semelhantes, sem qualquer respeito aos mais empobrecidos, o presidente segue no seu projeto imperial e elitista. 

Bolsonaro desdenha do isolamento social apregoado por cientistas e profissionais da saúde de todo o mundo. Nesta quinta-feira, 02/04, deu mais uma demonstração de seu desprezo pela vida humana e determinou que servidores e servidoras do Planalto voltassem imediatamente aos seus postos de trabalho. Em um arroubo claramente machista, afirma que é preciso enfrentar a epidemia “como homem, pô, não como moleque”, confundindo projeto de país com fanfarronice rasteira. 

Enquanto o Covid-19 acelera, ameaçando a vida e a sobrevivência das pessoas, ele avança no projeto sinistro de erradicação da pobreza pela erradicação dos pobres. Em um país que, segundo o IBGE, tem mais de 13,5 milhões pessoas em situação de miséria, mais de 11 milhões desempregadas, cerca de 38 milhões sobrevivendo na informalidade e quase 60 milhões desistiram de procurar emprego, Bolsonaro sobrevoa como uma ave de agouro. Até quando?

Comentários

comente

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Por favor entre digite seu nome aqui